terça-feira, 24 de maio de 2011

Coturno Noturno cai como banana podre

A inegável capacidade tendeciosa de alguns blogueiros na rede é algo que me surpreende a cada dia, especialmente os blog´s que tratam sobre política como este. Passando por alguns dos referidos “entes da blogosfera”, percebí que existe 02 tipos de blog´s: 1º o que nasceu especialmente para defender interesses estranhos a que se propõe ou diz que se propõe; 2º os que plágiam autores e articulistas conhecidos, e por vezes se tornam uma imitação barata e uma grotesca e malfadada cópia. Não se pode esquecer daqueles que conseguem ter as duas habilidades, plagiar e defender interesses estranhos. E neste que atuaremos por agora. Um dos mais próximos de nossa última opção, é o conhecido como Blog que tem como rótulo  Coturno Noturno e até bem acessado. Quando se chega no blog logo se vê alguma semelhença, mas não de estética, mas de conteúdo, de discurso. O blog do Corona mais parece cópia do articulista Reinaldo Azevedo (claro que com muito menos qualidade) dos quais muitas vezes até publica seus post´s. Mas não fora sempre assim, o Coronel tinha mais criatividade. Na outra ponta, também, Coturno defende abertamente o ex-candidato a Presidente da República José Serra, que também possui um blog. Quem o acessa está em busca de críticas e análises que lhes satisfaçam, sob a plataforma do discurso “sou Anti-PT” ou Anti-Dilma. Eu particularmente gostei do blog, todavia, a mensagem do blog, não me soa como algo que possa ser percebido como pensamentos e/ou opiniões de um ex-militar, fruto da ditadura brasileira, que está indignado com a atual situação brasileira. Não! Não o Coronel não está mesmo preocupado com o Brasil. Lendo seus post´s (muito bem escritos diga-se de passagem), percebe-se claramente a defesa incontestável de José Serra e seu legado, de modo que, se desvirtua da proposta inicial. Tende, também, a ataques aos desafetos do ex-presidencial como Geraldo Alkimin e Aécio Neves. Não são escolhas pessoais e/ou concordância sobre ponto A ou B, mas defesas intransigentes de pessoas, mas o faz com o discurso de possuir bandeiras bem definidas como podemos ver abaixo.

Não sou leitor assíduo do Coturno, além de ter percebido que sua  audiência cai como banana podre, todavia, posso dizer que seria uma boa leitura, salvo pela notável paixão desenfreada por José Serra.

O raivoso Blog do Coronel que ganhou fama após ter percebido um “vacilo do PT” num site governamental e a mesma postagem/conteúdo no site eleitoral, perde sua identidade de conteúdo, plagia blog´s e se resume a tentar consolidar a imagem de José Serra como alguém está acima do bem ou do mal. Cai como banana podre, mas como o Corono é inteligente, deve estar percebendo. E daí, terá de chamar o Serra!

segunda-feira, 16 de maio de 2011

José Serra seu momento já passou

Quando chegar o momento a grande maioria irá com Aécio ou Alkimin. Em 2010 José Serra cerceou o oportunidade do mineiro em não disputar prévias partidárias no PSDB. Aécio desejava ir pra luta, mesmo que perdesse, o PSDB estaria mobilizado. Não havia justificativa para não realizar as prévias, uma vez que, os paulistas já tiveram sua oportunidade, com Alkimin e com José Serra. O baixo senso de companherismo e a "guela aberta" do Serra, afilhado de FHC, deram a ele uma derrota vergonhosa, para alguém desconhecido, não político e o pior de tudo, grosseira e truculenta. Serra tbm é truculento. Dizer que tal qual 44 milhões de votos bastariam, para credenciar a tentar novamente o pleito presidencial é "dar um tiro no é pé", porque o voto foi para o PSDB.  O ex-governador de minha terra, está credenciado a qualquer cargo que seja ou queira disputar, entretanto, mas dentro PSDB sua hora já passou. Pior do que ter perdido a eleição pela 2ªvez, é perder para alguém como Dilma. Não há desqualificação de votos, só um idiota o faria, pois voto é voto, e são muitos, ainda bem, todavia, este quantitativo se refere a 2ª tentativa. Me pergunto, se Alkimin tivesse sido candidato pela 2ª vez, teria tido mais ou menos do que 44 milhões de votos? E Aécio, menos ou mais? Teríamos de ter uma bola de cristal! Pois o erro não do candidato Serra, mas do partido. Dizem que a oposição não existe, sobre sua inoperância. Não existir é relativo, inoperância... para os fins propostos (o contraditório) pode até ser..Durante 08 anos do governo Lula tivemos uma oposição sistemática e neste sentido lhes pergunto: Surtiu efeito necessário? Porque o que vale é  VENCER A ELEIÇÃO.. 2º, 3ºlugar de nada vale. Serra teve ainda uma grande ajuda, pois a "onda verde" tomou conta do Brasil. Pior de tudo isso, José Serra é um sujeito inteligente e percebeu que não daria pra ele, no inícíio do jogo, mas não poderia voltar atrás, porque impôs sua vontade dentro do PSDB. Ninguém vence eleições impondo sua vontade! Hoje insatisfeito, Serra tenta voltar ao cenário político por meio de Kassab . Sabedor disso Alkimin e Aécio tentam contornar a demandada dos tucanos para o momento certo darem o tiro certeiro. E claro, não se pode esquecer que teremos a copa do mundo pela frente e uma SUPER-EXPOSIÇÃO da Presidenta Dilma, daí meus caros, o jogo mudará novamente.

sexta-feira, 1 de abril de 2011

Aumentou salário, tudo aumenta

 
Aumento o salário e tudo... AUMENTA. Tudo mesmo, Desde alimentação ao vestuário. . e me vem o Governo Federal dizer: “Precisamos controlar a inflação... É nossa meta, nossa fixação! Bem muito bem, com o SEU e o MEU dinheiro? Não é de hoje que os governos repassam aos contribuintes a fatura para pagar, quando se aumenta benefícios, concede aumentos e por aí vai.

Esse ano devemos além da prestar contas ao “Leão” do Imposto de Renda, pagar a a conta do aumento do salário mínimo. Vocês notaram com os alimentos subiram consideravelmente nos últimos 20 dias? E tô dizendo no geral! Os governo são alimentos específicos como faz todo governo, com intuito de “maquiar” os números. Com advento do preço do Etanol disparar no mercado, por conseguinte a gasolina também aumentou, por ter 1% de álcool em sua composição.

O aumento do salário mínimo não faz nem cócegas no bolso do brasileiro e se traduz apenas numa sensação de melhoria, conquista, o que é na verdade, em miúdos, ENROLAÇÃO institucional e são um prato cheio para os veículos de comunicação.

E você caro leitor, percebe essa sensação em sua vida? E percebe claramente, quando vai ao supermercado, padaria, açougue... seu dinheiro render, poder comprar mais?

Esse é o ponto! Melhor aumentar salário ou reduzir os preços dos produtos?

O governo diz que faz os dois juntos!

Enfim...

Bolsonaro, depois da polêmica Chutou o Balde desta vez

 

Bolsonaro "chuta" o balde... ...e reapresenta projeto de cotas para negros na Câmara "para ironizar" Camila Campanerut ..

Acusado de racismo após entrevista a programa de TV nesta semana, o deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) reapresentou um projeto de lei que dá uma nova redação à Constituição Federal pedindo que sejam reservadas 50% das 513 cadeiras da Câmara dos Deputados para as populações negras e pardas. Segundo ele, o intuito é "ironizar" o que considera “a indústria das cotas do país”.
“Se o sistema de cotas é justo para o ensino, deve também ser a representação federal. Mesmo sendo autor da proposição, por coerência, votarei contra essa matéria”, disse o parlamentar no texto do projeto.
Questionado sobre o assunto pelo UOL Notícias sobre as ações que irá enfrentar pela declaração considerada racista à cantora Preta Gil, Bolsonaro nega que trata a questão da igualdade racial como deboche.
“Não chega ao deboche, eu chamo a atenção. É irônico, mas sério, que a gente chama a atenção para a indústria das cotas neste país”, resume. “É um projeto irônico, sim. E é irônico e para chamar a atenção do parlamento, quem é a favor de cota, de concurso etc. para preencher cadeiras na Câmara, no Senado, nas Assembleias Legislativas e Câmaras Municipais. Duvido que aprove, é um desafio”, afimrou.

Veja trecho da entrevista com Bolsonaro

Até esta quinta-feira (31), já chegavam a seis o número de ações de deputados acusando-o de cometer crime de racismo e violação dos direitos humanos. O caso veio à tona depois da apresentação, na última segunda-feira (28), da participação dele no programa de televisão, “CQC”, no qual Preta Gil o indagava sobre o que faria se o filho dele se apaixonasse por uma negra.
Bolsonaro disse que não iria "discutir promiscuidade" e que não correria o risco porque seus filhos "foram muito bem educados e não viveram em um ambiente como, lamentavelmente, é o teu" (em referência à Preta Gil). Logo depois, em nota, ele negou que seja racista e disse que se confundiu com a pergunta.
“Eu devo ser um covarde para manter meu mandato? Eu prefiro ficar sem mandato e viver com dignidade lá na planície do que com mandato e viver 'de quatro' no Planalto", afirmou. Bolsonaro é deputado desde 1995.



Lei AntiBolsonaro

PROJETO DE LEI 5003/2001 (PLC 122/2006)
 
 
 

SUBSTITUTIVO ADOTADO - CCJC

Altera a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, que define os crimes resultantes de preconceito de raça ou de cor, dá nova redação ao § 3, do art. 140, do Decreto-Lei n 2.848, de 7 de dezembro de 1940— Código Penal — e ao art. 5º, da Consolidação das Leis do Trabalho, aprovada pelo Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943, e dá outras providências.
O Congresso Nacional decreta
Art. 1º Altera a Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, definindo os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero.
Art. 2º A ementa da lei passa vigorar com a seguinte redação:
“Define os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero (NR)”
Art. 3º O artigo 1º, da Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passam a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 1º Serão punidos, na forma desta lei, os crimes resultantes de discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião, procedência nacional, gênero, sexo, orientação sexual e identidade de gênero. (NR)”
Art. 4º A Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 4º:
“Art. 4º Praticar o empregador ou seu preposto, atos de dispensa direta ou indireta.
Pena: reclusão de dois a cinco anos.”
Art. 5º Os artigos 5º, 6º e 7º, da Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passam a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 5º Impedir. recusar ou proibir o ingresso ou permanência em qualquer ambiente ou estabelecimento público ou privado, aberto ao público;
Pena — reclusão de um a três anos”
“Art. 6º Recusar, negar. impedir, preterir, prejudicar retardar ou excluir em qualquer sistema de seleção educacional, recrutamento ou promoção funcional ou profissional.
Pena — reclusão de três a cinco anos”
“Art. 7º Sobretaxar, recusar, preterir ou impedira hospedagem em hotéis, motéis, pensões ou similares;
Pena — reclusão de três a cinco anos”
Art. 6º A Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passa a vigorar acrescida do seguinte art. 7º
‘Art. 7º Sobretaxar recusar, preterir ou impedir a locação, a compra, a aquisição, o arrendamento ou empréstimo de bens móveis ou imóveis de qualquer finalidade;
Pena: reclusão de dois a cinco anos.”
Art. 7° A Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passa a vigorar acrescida dos seguintes art. 8º-A e 8º-B:
“Art. 8º-A. Impedir ou restringir a expressão e a manifestação de afetividade em locais públicos ou privados abertos ao público, em virtude das características previstas no artigo 1º;
Pena: reclusão de dois a cinco anos.”
“Art. 8º-B. Proibir a livre expressão e manifestação de afetividade do cidadão homossexual, bissexual ou transgênero, sendo estas expressões e manifestações permitidas ao demais cidadãos ou cidadãos.
Pena: reclusão de dois a cinco anos.”
Art. 8º Os artigos 16 e 20, da Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989, passam a vigorar com a seguinte redação:
“Art. 16. Constitui efeito da condenação;
I - a perda do cargo ou função pública. para o servidor público;
II - inabilitação Para contratos com órgãos da administração pública direta, indireta ou fundacional;
III — proibição de acesso a créditos concedidos pelo Poder Público e suas instituições financeiras, ou a programas de incentivo ao desenvolvimento por estes instituídos ou mantidos;
IV — vedação de isenções, remissões, anistias ou quaisquer benefícios de natureza tributária.
V— multa de até 10.000 (dez mil) UFIRs, podendo ser multiplicada em até 10 (dez) vezes em caso de reincidência, e levando-se em conta a capacidade financeira do infrator.
VI — suspensão do funcionamento dos estabelecimentos por prazo não superior a três meses.
§ l º Os recursos provenientes das multas estabelecidas por esta lei, serão destinados para campanhas educativas contra a discriminação.
§ 2º Quando o ato ilícito for praticado por contratado, concessionário, permissionário da Administração Pública, além das responsabilidades individuais será acrescida a pena de rescisão do instrumento contratual do convênio ou da permissão.
§ 3º Em qualquer caso, o prazo de inabilitação será de doze meses contados da data da aplicação da sanção.
§ 4º As informações cadastrais e as referências invocadas como justificadoras da discriminação serão sempre acessíveis a todos aqueles que se sujeitarem a processo seletivo, no que se refere à sua participação. (NR)

sexta-feira, 25 de março de 2011

Serra prefere Dilma ao Aécio

Interessante que vários jornalistas apontam José Serra como culpado pelo  desmanche do DEM (por perder para Aécio a influência partidária no democratas), o que de fato, tem um fundo de verdade. Todavia, cabe indagar que Kassab, o afilhado político de Serra (agora malcriado político), deseja ser candidato a governador de São Paulo pelo PSD, inviabilizando Geraldo Alkimin do jogo presidencial, uma vez que, o vice governador Afif Domingos aderiu ao PSD. Pra mim, está claríssimo, salvo argumento contraditório, que a criação do de Kassab serve além de Dilma, a Serra e não em razão de neutralizar Alkimin conforme mencionado (porque favorece também ao Aécio), mas sobretudo por embaralhar o jogo político e tirar o foco das discussões sucessórias e obviamente a mídia em torno do senador mineiro. Um outro ponto importante é que a implicância dos paulistas com Aécio sempre foi em razão do tucano mineiro conversar com todos os lados (claro que esse argumento é burro, porque sabemos da disputa entre Serra e Aécio) e que oposição se faz, pelo contraditório e não pela negociação com governo. Vale lembrar que esta tese da oposição "ferrenha" interessava somente a São Paulo ou a José Serra, porque havia um pleito Presidencial colocado e para ter discurso em 2010. O governo paulista não deixou de receber recursos do governo federal, basta ver os números no portal da transparência Brasil, mas é evidente que não recebera proporcionalmente frente aqueles que conversarm mais.  Verdade seja dita: Dilma e o PT estão "nadando de braçada" nesse imbrólio, porque além de desmanchar o DEM, apimenta ainda mais relação entre Serra e Aécio. 

Entendo que o PSD não seja um partideco, pelo contrário, já negociam participação nos governos estaduais. Pelo sim ou pelo não, (se José Serra seja  orientador de Kassab ou se o Pref. paulista seja o traidor de Serra, que lembrando que o ex-Presidenciável não se pronunciou sobre o PSD ainda), o PSD nasce embaralhando o desenho político, porque além de adicionar novos atores e situações, por conseguinte, traz de volta ao cenário político brasileiro FHC e Lula, como forma de por fim a tão aclamada disputa entre os principais governos que passaram pelo Brasil.  Contudo, ainda falta combinar tudo isso, com o super influente Neto de Tancredo, com onda verde da Marina, com Eduardo Campos e não podemos esquecer da "fenix" que morta,  ressurge das cinzes: O falastrão Ciro Gomes.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Principais manchetes jornais - 23/03/2011

Folha de S.Paulo
Pela 1ª vez, Brasil apoia a saída de ditador líbio
Agora S.Paulo
INSS vai dispensar perícia para pagar auxílio-doença
O Estado de S.Paulo
Acordo entrega comando da operação na Líbia à Otan
O Globo
BC indica mais restrição ao crédito para conter inflação
Valor Econômico
Oferta de ações de controle acirra disputa na Usiminas
Correio Braziliense
Juiz bloqueia bens de Roriz, Arruda, Durval e Jaqueline
Estado de Minas
Governo emite alerta para risco de lareiras
Diário do Nordeste
297 mil nomes são retirados do SPC em Fortaleza
Zero Hora
Kadafi reaparece e desafia coalizão
*
Jornais internacionais
The New York Times (EUA)
EUA buscam unificar aliados enquanto bombardeios em Trípoli continuam
The Guardian (Reino Unido)
Discordância no coração da Otan sobre quem comandará operação na Líbia
El País (Espanha)
França propões "direção política" para a operação na Líbia
Clarín (Argentina)
Moyano confirma que gostaria de indicar o vice de Cristina

segunda-feira, 21 de março de 2011

Não sei se é socialista ou fascista, diz tucano mineiro sobre PSD


RAPHAEL VELEDA

DE BELO HORIZONTE 


O novo presidente do PSDB em Minas Gerais assumiu o cargo nesta segunda-feira (21) defendendo a candidatura do senador Aécio Neves à Presidência em 2014 e atacando o PSD, partido que está sendo criado pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab.
"Um partido é uma expressão de correntes da sociedade que têm determinadas ideias", disse o deputado federal Marcus Pestana, que assumiu o comando tucano no Estado.
"Não sei se esse partido [PSD] é social-democrata, se é socialista, se é liberal, se é fascista... Não sei o que une essas pessoas", afirmou ainda Pestana, que foi secretário da Saúde nos dois mandatos de Aécio Neves à frente do governo mineiro.
"O maior líder da oposição brasileira e o mais talentoso líder da nova geração de políticos é disparadamente o nosso Aécio Neves", afirmou.
O senador, que participou do evento esta noite, em Belo Horizonte, foi mais político e disse que seria indelicado de sua parte fazer qualquer comentário em relação a uma decisão "legítima" de Kassab.
"Um partido político não se faz do dia para a noite. Ele, obviamente, deve achar ter as condições necessárias para construir esse projeto. É legítimo, vamos respeitá-lo", disse. 

Direto da Folha

GPR - Gestão Participativa em Rede


GPR - Gestão Participativa em Rede from Rodrigo Porto on Vimeo.

Kassab e suas contradições

Se não fosse verdade, seria um belo e enfadado momento de cretinice aguada e o pior, mal feita. Mais um partido deve ser criado em nosso páis, (já não temos muitos), agora pelo insatisfeito Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. Ontem , Salvador/BA constituiu o primeiro passo para a formalização do Partido Social Democrático (PSD), objetivando coletar assinaturas para a abertura do processo de criação da legenda. O Encontro contou com a presença de deputados e ex-deputados, vereadores, prefeitos e ex-prefeitos, além de lideranças da base aliada dos governos federal e estadual, na Bahia.

Kassab apresentou o novo partido com um discurso contraditório. Inicialmente disse que o PSD terá uma postura independente, na esfera federal, defendendo, porém, o melhor para o Brasil. No final completou para uma plateia formada basicamente por petistas e aliados, que "o melhor para o Brasil será ajudar a presidente Dilma Rousseff e o governador Jaques Wagner (PT), na Bahia".

O que isso significa? Que Serra o elegeu, para depois entregar para Dilma.

sábado, 19 de março de 2011

Serra e Marina: Situações distintas para partidos distintos

Marina no PV é a LIDERANÇA e Serra no PSDB é mais uma das lideranças. Simples assim!. Indagam: Olha, mas são 45 milhões de votos! Sim, está correto! São 45 milhões de votos do partido e não do Serra. A mesma lógica dá-se a Marina, que insatisfeita ensaia deixar o PV. Volto a dizer. Marina é a liderança e não uma das (lideranças) expressão nacional. Se assim, fosse no PSDB, Geraldo Alkimin que tentou apenas uma vez presidência ,deveria querer impor sua vontade, mas já teve sua chance. E quero dizer é que partidos grandes disputas grandes e ponto final. Desconsiderar o papel de José Serra no cenário político é dar tiro no pé, mas considerá-lo como provável presidenciável é legítimo, mas terá de disputar ou seja, se tentar impor sua candidatura como o fez com Aécio, desta vez, não será apenas o mineiro que irá bater o pé. Geraldo Alkimim faz cara de paisagem, mas tá de olho no jogo! Tem blog dizendo um monte de bobagens sobre PSDB não querer o Serra, assim como o PV não quer a Marina. Uma baita bobagem descabida de quem incita o racha dentro PSDB. Me parece mais uma estratégia de quer levar no grito o controle partidário.

Aécio, o culpado

Bem então tá combinado!

Já que Kassab vai deixar o DEM, que tal então os democratas fazerem um festa?

Me pergunto: Por que cargas d´águas não largam o o sujeito que já esperneou, esbravejou para deixar o partido? Por ser o prefeito da maior cidade do país? Pois, tudo bem, mas o cara não quer, o que pode fazer. O pior de tudo isso é que vão arranjar um culpado, aliás já arranjaram. O Aécio.